Pular para o conteúdo principal

Que fim levou Juliana Klein?, de Marcos Peres

 Um bom livro é aquele que lhe deixa com mais dúvidas do que respostas.

Imagem: O Diario
Que fim levou Juliana Klein? é um romance policial, digamos filosófico. As personagens citam com frequência Nietzsche, Agostinho e Platão. Esse é o segundo livro do autor Marcos Peres, e que já surpreendeu antes mesmo de ser publicado. Assim que começamos a leitura, somos colocados no meio de uma rixa familiar, e só largamos o livro depois que todas as perguntas sejam respondidas, ou não. Pois bem, o delegado Irineu de Freitas, um caipira do interior, da cidade de Maringá, vai a Curitiba ajudar o amigo Gomez, que também é delegado, a descobrir um crime muito estranho. É Irineu que nos conduz pela Curitiba, palco de uma disputa imortal (?). As famílias Koch e Klein são conhecidas não só pelos seus saberes filosóficos, mas também pelo ódio que nutrem um pelo outro. Os Koch lecionam filosofia na PUC; já os Klein lecionam também filosofia, só que na UFPR. Juliana Klein, a nossa personagem desaparecida, é especializada em Nietzsche e acredita na teoria cíclica, que tudo o que aconteceu no passado está acontecendo hoje e acontecerá no futuro. “Esta conversa que estamos tendo, delegado, já aconteceu várias outras vezes”, diz Juliana a Irineu quando ele vai ao casarão dos Klein entrevistar a esposa de um assassino. Casarão esse que é alvo de vários mitos e lendas, desde a sua construção por um luterano, até o primeiro Klein chegar a Curitiba e morar naquela casa famosa do Batel. Derek Klein, pai de Juliana, se enforcou na sala do casarão, assim reforçando a lenda do casarão mal-assombrado. O autor reserva um capítulo para essas lendas e mitos, que é importante para entender os eventos posteriores, que só reforçarão o imaginário popular.

“Sinto em meu sangue. Vejo os fantasmas do passado e sei que o futuro tende a repetir — não é preciso ser um Klein ou um Koch para saber isso. Estudei Nietzsche e aprendi duas coisas. A primeira é que o livre-arbítrio é uma falácia, um argumento covarde dos que não conseguem perceber que o mundo, para o bem e para o mal, está escrito no passado. Nietzsche escreveu em uma parábola: ‘Esta conversa, os detalhes desta conversa, o que somos, o que fazemos, tudo já foi feito. A história é finita e cíclica.” (p. 75)  



Há também uma cronologia dos fatos logo no início, junto com uma genealogia dos Koch e Klein. E essas páginas também tem importância, não façam como eu fiz, pulando elas. Salvador Scaciotto, marido de Juliana Klein e pai de Gabriela Klein, matou a esposa de Franz Koch, Tereza Koch, por um motivo ainda não revelado. Irineu vai prender Saciotto no casarão e lá tem a difícil tarefa de explicar para a garotinha que só está levando o seu pai para fazer uma viagem, que incluía bruxas e vampiros, mentira que Gabi acreditou, pois só era uma criança inocente. Depois da morte de Tereza Koch, umas séries de assassinatos se sucedem, terminando com o sumiço de Juliana Klein. E o protagonista, nosso delegado Irineu de Freitas, se envolve de tal maneira a ponto de se perder, e fazer investigações ilegais. Se em todos os romances policiais, seja com Poirot ou Sherlock Holmes, o caso é solucionado, em Que fim levou Juliana Klein?, as coisas tendem para a 'não-conclusão'. Irineu se envolve com Juliana Klein, tem afeto pela filha, e é jurado por vingança pelo marido traído. Investiga as alunas de Franz Koch ilegalmente, pois pensa que o professor é o mandante dos crimes contra os Klein. Afinal, essa briga teve início lá em Frankfurt e se arrastou para solo Curitibano. Por mais que tente encaixar as peças, ainda fica faltando uma que o tira do foco. Irineu de Freitas é um personagem muito bem construído, com forte personalidade e, digamos assim, mulherengo (dissera Juliana). Deixa que seu envolvimento com Juliana atrapalhe o seu lado profissional, mas, ele é o único que pode desvendar que fim levou Juliana Klein e luta por isso até o fim, mesmo quando é afastado, alvo de um processo administrativo, e tem o seu caso com a esposa de um assassino divulgado pela mídia e etc.  O desfecho dessa história intrigante, que ganha um ar de thriller, é surpreendente e me deixou com várias dúvidas. Sim, um bom livro é aquele que lhe deixa com mais dúvidas do que respostas. A literatura policial brasileira está ganhando força, e nós leitores, agradecemos. Esse foi o primeiro livro do Marcos que li, e sem dúvida alguma, foi uma bela surpresa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

O Cavalo e seu Menino, de C. S. Lewis

O terceiro livro de As Crônicas de Nárnia em ordem cronológica, O Cavalo e seu Menino, narra a história de duas crianças fugindo em dois cavalos falantes. Shasta vive em uma aldeia de pescadores e vive como se fosse um empregado do seu pai ‘adotivo’, Arriche. Quando um tarcãa chega à aldeia e pede para se hospedar na casa de Arriche, este aceita sem hesitar. Com um hóspede nobre, o pescador coloca Shasta para dormir no estábulo junto com o burro de carga, tendo como comida apenas um naco de pão. Arriche não era um pai afetivo, acho que ele nem se considerava pai do menino. Via mesmo ali uma oportunidade de ganhar mais dinheiro, e quando o tarcãa oferece uma quantia por Shasta, ele ver que pode arrancar um bom dinheiro com a venda do menino e assim começam a barganhar um preço pelo garoto. Ao ouvir que o seu ‘pai’ iria lhe vender, o menino decide fugir e ir para o Norte — era o seu grande sonho conhecer o Norte. Ao se dirigir ao cavalo, e sem esperar nada, desejar que o animal falasse,…