Pular para o conteúdo principal

O Gigante Enterrado e a fantasia sutil

Ambientado em uma Inglaterra medieval e fantástica, habitada por ogros, duendes, cavaleiros e uma dragoa, Ishiguro conta a história de Axl e Beatrice, um casal de idosos que sai em uma jornada até a aldeia de seu filho. Tanto bretões como saxões são afetados por uma névoa que apaga o passado da memória de todos. Quase ninguém se dá conta de que suas memórias são apagadas dia após dia, e o casal, talvez, sejam os únicos na aldeia que percebem o que de fato está acontecendo. Axl ama a sua mulher, e a chama carinhosamente de princesa. Mas um sentimento forte e rancoroso quer despertar e isso possivelmente abalará a vida dos dois. O mesmo acontece com Beatrice, mulher gentil e preocupada com o homem com quem está casada. Os dois se lembram de uma discussão que tiveram, após Beatrice sugerir que eles fossem visitar a aldeia do filho. Axl não recorda desse tal filho e pergunta-se se de fato esse filho existe. Essa névoa do esquecimento afeta de forma sutil mas cruel a todos que, mesmo quand…

Nunca mais tivemos amigos como os que tínhamos aos 11 anos de idade. Mas quem tem?


Todos tiveram amigos que um dia, infelizmente, se tornaram mais um rosto nos corredores da vida. Ao pensar em nossa infância, a nostalgia toma conta dos nossos sentimentos e tudo o que mais queremos é voltar a ser criança. Gordie Lachance é um escritor e, ao ver dois garotos de bicicleta passando pelo seu carro, lembra-se do seu melhor amigo Chris Chambers, morto a facadas em um restaurante. Olhando para o jornal que trazia essa trágica notícia, Gordie viaja ao passado e leva o público como acompanhante. Gordie, Chris, Teddy Duchamp e Vern Tessio são as crianças que um dia nós fomos. Aos onze anos, tudo o que aqueles garotos queriam era uma aventura. E não há nada mais empolgante e aventureiro do que sair em busca de um corpo. Inspirado no conto de Stephen King (The Body), Stand by Me ou Conta Comigo (tradução brasileira), o longa-metragem de Rob Reiner é um clássico atemporal. A trama se passa durante a década de 60 e todos os elementos, músicas, moda, etc. saltam aos olhos como uma lembrança de como o mundo era simples, mas não simplista. Há coisas na vida que o tempo não pode mudar e os problemas que existiam no século passado, ainda perduram em nossos dias. Rejeição dos pais, pais alcoólatras e doentes da cabeça, o sofrimento de ver um irmão morto e se sentir culpado por isso, ser estigmatizado como um delinquente pelo fato de ser membro de uma família de delinquentes. Os garotos enfrentam todos esses problemas, mas podem contar uns com os outros e por isso o título do filme é perfeito.

Quando Vern descobriu que o irmão e o amigo encontrou o corpo de um adolescente que havia desaparecido, não hesita em propor aos demais que saiam em busca desse corpo para, consequentemente, aparecer na televisão! A inocência das crianças está prestes a se perder quando, ao encontrar o corpo, os sentimentos que lhes atravessam é o de pesar. Nos dias em que vivemos muitos podem se chocar ao ver garotos de 11 anos fumando, mas não há problema algum se pegarmos o contexto em que a trama é narrada. Quem dera se o nosso único problema fosse o de que crianças estivessem fumando! Ao concordarem com Vern, os garotos não tinham em mente de que os seus medos seriam expostos e enfrentados, e ao voltar, estariam diferentes e com um pé no mundo dos adultos. Vemos que os adultos costumam ser bem piores do que pensamos e nos envergonhamos com isso. Os pais de Gordie nunca o notaram, sequer o conheceram de verdade, pois toda atenção era voltada para o filho mais velho que era jogador no time da escola. Ele era o único que conhecia Gordie, e este o tinha como seu melhor amigo. Mas o seu irmão morreu, os pais ficaram distantes e Gordie virou uma espécie de filho invisível. E é em Chris que ele pode contar, um amigo que se mostra preocupado e até mesmo transfere para si a responsabilidade de cuidar dele. Uma amizade leal e muito bonita, algo raro em nossos dias.


Chris tem problemas na escola e em sua casa. Todos o veem como um inútil, que não seria ninguém na vida. Foi acusado de roubar dinheiro na escola e sofre com essa acusação. É em Gordie que ele sabe que pode contar, o seu melhor amigo. Vern e Teddy têm histórias difíceis, cada um a sua maneira. Teddy teve a orelha queimada pelo pai e Vern também tinha seus problemas, não tão explícitos como os dos demais. Os quatro garotos têm aquela sintonia e nada melhor do que eles a interpretar os seus respectivos personagens. Há verdade em suas atuações, há sinceridade. E é isso o que deixa o filme com aquele peso emocional, pois o que afeta a um, afeta o outro. Tanto que não há como não chorar ao ver Chris desabando ao contar sobre o tão falado roubo que cometera. Teddy se desespera quando o pai é chamado de lunático. Vern entra em desespero na cena da ponte (difícil alguém não se desesperar junto com ele e também dar boas gargalhadas). Gordie, em uma das cenas mais tocante e bela, chora ao trazer a tona seus sentimentos de luto pelo irmão, o desprezo que o pai nutria por ele. E, mais uma vez, pode contar com o seu melhor amigo Chris. Nós também choramos com o Chris.

O Gordie já adulto e escritor faz aquilo o que Chris o aconselhara a fazer durante a aventura de suas vidas (quando não souber o que escrever, escreva sobre nós e a nossa aventura). Em um daqueles momentos de crise existencial, ele se pergunta se é estranho. A clássica frase “Eu sou estranho? Sim. Mas e daí? Todo mundo é estranho” é dita na cena onde os meninos caminham sobre os trilhos do trem (Stranger Things faz referência ao filme naquela cena onde os quatro amigos também caminham sobre os trilhos em busca do corpo de Will Byers). Ao dizer que iria estudar com Chris quando as aulas começassem, este diz ao amigo que ele não pode fazer isso, pois é inteligente e iria se tornar um escritor famoso. Mas a ideia de não ver mais o seu melhor amigo deixava Gordie receoso, por isso queria estudar com ele. Mas Chris é enfático e afirma que fará de tudo para que ele seja um escritor famoso, pois esse era o dom que Deus havia lhe dado e quando recebemos algo assim, não podemos desperdiçar. Numa demonstração bastante bonita, Gordie também diz que Chris não poderia desperdiçar a sua vida. De que ele era capaz promete ajuda-lo com os estudos, o que realmente aconteceu.



Escrevi uma curta opinião no Netflix afirmando que Stand by Me era um oásis no deserto chamado século XXI. E acredito que estou certo, pois muitos daqueles valores se perderam e o que vemos nos dias presentes é a banalização da amizade, que é basicamente ligada ao interesse. A lealdade e o dever de ajudar um amigo quando ele precisar já não é tão importante. Tudo é efêmero, vazio e sem cor. Esse filme nos deixa vulneráveis, sedentos por aquelas amizades da infância e uma das últimas frases do filme impulsiona-nos a pegar o telefone e ligar para aquele velho amigo que não vemos há tantos anos. É um convite para sermos mais simples, lembrar de que há coisas mais importantes do que dinheiro e poder e que amigos são verdadeiros tesouros. Gordie não via há algum tempo Chris e quando leu no jornal que o amigo tinha sido assassinado, lembrou-se de que nunca teria amigos como os que ele teve aos 11 anos de idade. Meu Deus, quem é que tem?

Há muito ainda o que escrever sobre esse filme, mas irei parar por aqui. Estou lendo atualmente “Quatro Estações”, do Stephen King. Este é um livro de contos e um deles é o “Outono da Inocência: O Corpo” que foi adaptado por Rob Reiner e virou esse clássico. Sugiro a todos os fãs do filme a lerem o livro também, pois iremos nos emocionar mais uma vez ao, agora, ler essa história que foi inspirada em um acontecimento da vida do autor: Stephen King tinha apenas 12 anos quando voltava para casa ao lado de um amigo, durante uma caminhada pelas áreas florestais do Estado norte-americano do Maine, quando encontrou o cadáver de um rapaz da região, que havia desaparecido dias antes. Como um primeiro contato real com a morte, o fato marcou a vida do futuro escritor, que na idade adulta, adaptou tal acontecimento, no formato de conto, chamado “Outono da Inocência: O Corpo” (The Body), lançando no livro As Quatro Estações (Different Seasons, 1982). Tal obra é marcada por trazer histórias mais voltadas para o drama e questões existencialistas do homem, deixando um pouco de lado temas sobrenaturais. A versão para o cinema de Conta Comigo viria quatro anos mais tarde, sob o comando do diretor Rob Reiner (Lembranças de Hollywood, 1990) e está, até hoje, como uma das melhores adaptações baseadas na obra de King feitas para a tela grande, (Boca do Inferno, por Felipe Falcão). Podemos interpretar que o Gordie é uma metáfora do Stephen King, que ao crescer e tornar-se escritor famoso, escreveu sobre o que tinha visto.

Lançado em 1986, o filme completou 30 anos em 2016. A Columbia Pictures poderia fazer um favor a todos os fãs e lançar uma edição comemorativa de 30 anos, ou 31, já que estamos em 2017. Se você quiser comprar o DVD é praticamente impossível e o Netflix retirou do seu catálogo. 

Comentários

  1. NOOSSA! O enredo parece ser bem sensível... Já estou doido pra ler. Tudo que é relacionado a nossa infância nos toca. Pelo que você escreveu o livro é maior que isso, vai além pois ainda conta com os nossos relacionamentos familiares.

    Abraços.

    BLOG: http://obaucultural.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda estou lendo o livro, não vejo a hora de chegar no conto que deu origem ao filme. Mas pelo o que ouvi em um podcast sobre o filme, o conto traz uma realidade mais pesada do que a narrada no filme. Assista o filme e também leia o livro, garanto que irá adorar o filme!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…