Pular para o conteúdo principal

As pupilas do senhor Reitor, de Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor [Record, 368 pgs, R$32,90] é um clássico da literatura portuguesa. Como o título sugere, as personagens principais são as pupilas do S. Reitor. Margarida e Clara são irmãs, mas uma é o oposto da outra. Enquanto a mais velha, Guida, é reservada e dada às tristezas e melancolia da vida, a outra é alegre, brincalhona e de uma ingenuidade própria das raparigas (leia-se moças) de virtudes do século XIX. A trama gira em torno do já citado S. Reitor, as suas pupilas, o José das Dornas e seus filhos, Pedro e Daniel. Este último, que deveria ter sido padre, não fosse por sua paixão pela pequena Guida – os dois eram crianças – é o caos que agita toda a história. Mandado para a cidade do Porto, Daniel volta já médico para a aldeia onde nascera e passara a infância e causa agitação na pacata aldeia. Suas ideias modernas chocam o médico octogenário, João Semana, e a princípio há certa disputa entre o velho e conservador; o novo e o progressista. Pedro, irmão mais velho …

A alma do mundo, de Roger Scruton


Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.

As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso mundo tem uma alma, e esta alma fala conosco de forma muito particular e nos convoca a agir da maneira correta como, por exemplo, enfrentar a morte para proteger aqueles a quem amamos. A nossa busca por compreensão e sentido da vida é algo natural do nosso ser, que é transcendental. Somos desse mundo, mas há algo que nos diz que viemos de algum lugar fora do espaço-tempo e para lá retornaremos. A questão da morte deve ser enfrentada como a passagem para uma vida que será realmente vivida, não como um fim em si mesma. Há na natureza elementos que apontam para o sagrado, mas com o passar dos séculos, foram sufocados pelo uso utilitário das coisas. Para nos sentirmos em nosso lar, as construções antes seguiam um padrão – um padrão transcendental. Ao olharmos para os prédios da antiguidade, Scruton diz, olhávamos para um prédio que olhava para nós – que tinha uma alma. Os prédios não poderiam ultrapassar certa altura, pois o Templo – sinal de que o deus estava olhando para nós – era, de certa forma, o guardião da cidade e o qual estava próximo, mesmo distante. Essa tradição foi perdida através dos tempos, e agora tudo o que percebemos ao olhar para um prédio – uma cidade em si – é apenas algo feio, sem significado ou valor. Nossa cidade, o lugar onde nos assentamos e criamos raízes, agora é um lugar estranho e desprovido de beleza.

Roger Scruton sempre me surpreende, e neste livro fiquei ainda mais encantado com este Sir. Ao explorar o mundo dos sujeitos, e não dos objetos, ele nos diz que o nosso eu não existe sem um você, e que este eu encarna nesta carne, às vezes tão estranha, e se expressa através do nosso rosto. Nossa face é o nosso eu visível para os outros, e ao olharmos para um outro eu – olhar para os olhos de uma outra pessoa –, nós estamos invadindo e perscrutando o sujeito que é você. É um argumento brilhante e surpreendente, o que nos faz concordar com o filósofo. Só tratamos uma pessoa como um sujeito, e não como um objeto, quando o olhamos como um outro eu, dotado de autoconsciência e vontades. Quando perdemos essa compreensão, o que aconteceu após a Queda, passamos a tratar o próximo como objeto. Já não encaramos o eu nos olhos, mas sim o objeto que poderá nos dar prazer, alegria, ou alguma vantagem. Tratamos o outro como apenas um objeto, que pode ser usado – p.ex a pornografia – sem ter essa relação eu-para-você. Outro argumento maravilhoso que se dá no livro é sobre a música, a compreensão da mesma e como ela nos fala de algo que não pode ser explicado cientificamente – ou tecnicamente. O leitor pode estranhar sobre este assunto, mas acredito que terminará a leitura compreendendo melhor a música e colocando em prática aquilo que foi dito pelo filósofo. Ou seja, começará a gostar da música clássica não como algo sem sentido, mas como algo que possui grande sentido para a nossa alma.

A busca por Deus em um mundo que se perdeu é compreendido como a busca pelas demais coisas, que possuem essa transcendência em si e aponta para um mundo inacessível para nós no agora. Deus está presente, mas de alguma forma se mantém distante. É um dos dilemas que o ser humano enfrenta, mas que traz consolo. 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…

O Cavalo e seu Menino, de C. S. Lewis

O terceiro livro de As Crônicas de Nárnia em ordem cronológica, O Cavalo e seu Menino, narra a história de duas crianças fugindo em dois cavalos falantes. Shasta vive em uma aldeia de pescadores e vive como se fosse um empregado do seu pai ‘adotivo’, Arriche. Quando um tarcãa chega à aldeia e pede para se hospedar na casa de Arriche, este aceita sem hesitar. Com um hóspede nobre, o pescador coloca Shasta para dormir no estábulo junto com o burro de carga, tendo como comida apenas um naco de pão. Arriche não era um pai afetivo, acho que ele nem se considerava pai do menino. Via mesmo ali uma oportunidade de ganhar mais dinheiro, e quando o tarcãa oferece uma quantia por Shasta, ele ver que pode arrancar um bom dinheiro com a venda do menino e assim começam a barganhar um preço pelo garoto. Ao ouvir que o seu ‘pai’ iria lhe vender, o menino decide fugir e ir para o Norte — era o seu grande sonho conhecer o Norte. Ao se dirigir ao cavalo, e sem esperar nada, desejar que o animal falasse,…