Pular para o conteúdo principal

A alma do mundo, de Roger Scruton

Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.
As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso …

A alma do mundo, de Roger Scruton


Para Roger Scruton, um dos filósofos mais importante da atualidade, não podemos explicar o mundo apenas pelas ciências naturais. Em seu mais recente livro publicado pela Editora Record, Scruton argumenta contra essa tendência de querer explicar cientificamente o que não se pode ser explicado cientificamente. O indivíduo, o self, não pode ser analisado pela ciência com o propósito de explica-lo, assim como o mundo, a música, a religião, o sagrado e as relações eu-você. Nos primeiros capítulos a compreensão pode ser um pouco difícil, pois o filósofo contrapõe os argumentos científicos (como a psicologia evolutiva) que afirma que o que fazemos é determinado pelos nossos genes. Mas não tentarei explicar o que é bastante complicado para entender, por isso deixo essa tarefa para o próprio Scruton.

As nossas associações, o nosso ato de sacrificar pela família ou pátria, nossos contratos, relacionamentos e até a nossa crença faz parte de um mundo que não se pode explicar pela ciência. O nosso mundo tem uma alma, e esta alma fala conosco de forma muito particular e nos convoca a agir da maneira correta como, por exemplo, enfrentar a morte para proteger aqueles a quem amamos. A nossa busca por compreensão e sentido da vida é algo natural do nosso ser, que é transcendental. Somos desse mundo, mas há algo que nos diz que viemos de algum lugar fora do espaço-tempo e para lá retornaremos. A questão da morte deve ser enfrentada como a passagem para uma vida que será realmente vivida, não como um fim em si mesma. Há na natureza elementos que apontam para o sagrado, mas com o passar dos séculos, foram sufocados pelo uso utilitário das coisas. Para nos sentirmos em nosso lar, as construções antes seguiam um padrão – um padrão transcendental. Ao olharmos para os prédios da antiguidade, Scruton diz, olhávamos para um prédio que olhava para nós – que tinha uma alma. Os prédios não poderiam ultrapassar certa altura, pois o Templo – sinal de que o deus estava olhando para nós – era, de certa forma, o guardião da cidade e o qual estava próximo, mesmo distante. Essa tradição foi perdida através dos tempos, e agora tudo o que percebemos ao olhar para um prédio – uma cidade em si – é apenas algo feio, sem significado ou valor. Nossa cidade, o lugar onde nos assentamos e criamos raízes, agora é um lugar estranho e desprovido de beleza.

Roger Scruton sempre me surpreende, e neste livro fiquei ainda mais encantado com este Sir. Ao explorar o mundo dos sujeitos, e não dos objetos, ele nos diz que o nosso eu não existe sem um você, e que este eu encarna nesta carne, às vezes tão estranha, e se expressa através do nosso rosto. Nossa face é o nosso eu visível para os outros, e ao olharmos para um outro eu – olhar para os olhos de uma outra pessoa –, nós estamos invadindo e perscrutando o sujeito que é você. É um argumento brilhante e surpreendente, o que nos faz concordar com o filósofo. Só tratamos uma pessoa como um sujeito, e não como um objeto, quando o olhamos como um outro eu, dotado de autoconsciência e vontades. Quando perdemos essa compreensão, o que aconteceu após a Queda, passamos a tratar o próximo como objeto. Já não encaramos o eu nos olhos, mas sim o objeto que poderá nos dar prazer, alegria, ou alguma vantagem. Tratamos o outro como apenas um objeto, que pode ser usado – p.ex a pornografia – sem ter essa relação eu-para-você. Outro argumento maravilhoso que se dá no livro é sobre a música, a compreensão da mesma e como ela nos fala de algo que não pode ser explicado cientificamente – ou tecnicamente. O leitor pode estranhar sobre este assunto, mas acredito que terminará a leitura compreendendo melhor a música e colocando em prática aquilo que foi dito pelo filósofo. Ou seja, começará a gostar da música clássica não como algo sem sentido, mas como algo que possui grande sentido para a nossa alma.

A busca por Deus em um mundo que se perdeu é compreendido como a busca pelas demais coisas, que possuem essa transcendência em si e aponta para um mundo inacessível para nós no agora. Deus está presente, mas de alguma forma se mantém distante. É um dos dilemas que o ser humano enfrenta, mas que traz consolo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leia o conto "O Gato Preto", de Edgar Allan Poe

Não espero nem peço que acreditem nesta narrativa ao mesmo tempo estranha e despretensiosa que estou a ponto de escrever. Seria realmente doido se esperasse, neste caso em que até mesmo meus sentidos rejeitaram a própria evidência. Todavia, não sou louco e certamente não sonhei o que vou narrar. Mas amanhã morrerei e quero hoje aliviar minha alma. Meu propósito imediato é o de colocar diante do mundo, simplesmente, sucintamente e sem comentários, uma série de eventos nada mais do que domésticos. Através de suas consequências, esses acontecimentos me terrificaram, torturaram e destruíram. Entretanto, não tentarei explicá- los nem justificá-los. Para mim significaram apenas Horror, para muitos parecerão menos terríveis do que góticos ou grotescos. Mais tarde, talvez, algum intelecto surgirá para reduzir minhas fantasmagorias a lugares-comuns – alguma inteligência mais calma, mais lógica, muito menos excitável que a minha; e esta perceberá, nas circunstâncias que descrevo com espanto, na…

Ostra feliz não faz pérola, de Rubem Alves

Bem, vou começar falando o quanto eu aprendi lendo esse livro. Quando falo livro, acho que estou me referindo a mais um livro qualquer, o que não é o caso de Ostra feliz não faz pérola. Rubem Alves é simplesmente incrível, e seus textos que fazem parte do livro são maravilhosos. Claro que tem alguns ao qual eu não concorde muito, mas sobre isso não tenho nada a acrescentar, porque continua sendo maravilhoso de todo o jeito. Acho que vocês estão aí pensando que estou me referindo muito bem ao livro, e que isso cheire a alguma forma de merchan. Mas não caros leitores, quem teve o prazer de ler Rubem Alves sabe do que estou escrevendo.  Os textos falam sobre sofrimento que produz a beleza, da morte que conduz à vida, do envelhecimento que traz a juventude não vivida, do sagrado que está em todos os lugares. São doses de sabedorias que quero tomar sempre. O Rubem fala muito em suas crônicas de Nietzsche, Bach, Cecília e tantos outros ao qual ele admirava. Ostra feliz não faz pérola é uma gr…

O livro sobre nada | Poema de Manoel de Barros

O livro sobre nada

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu que…